/* ---marcadores por enjoythelittllethings.blogspot.com --- */ #Label1 ul li {float:left; padding-left:10px; font-family: 'Georgia'; font-size: 12px; background:url(http://static.tumblr.com/8buytvw/30imlqqy9/tags.png) no-repeat left;text-indent : 8px; width:100px; font-style: italic; -webkit-transition-duration: .40s;-webkit-transition-duration: .40s} #Label1 ul li:hover{background:url(http://static.tumblr.com/8buytvw/rE4mlqr3g/tags1.png) no-repeat left;} #Label1 ul li a {color: #D9CFA3;} #Label1 ul li a:hover {color: #9b9b91;} /* ---fim--- */

Resenha - Never Sky: Sob o Céu do Nunca por Veronica Rossi

Autor: Veronica Rossi
Editora: Prumo
ISBN: 
 9788579272363
Número de Paginas: 336
Ano: 2013
Avaliação:


Desde que fora forçada a viver entre os Selvagens, Ária sobreviveu a uma tempestade de Éter, quase teve o pescoço cortado por um canibal, e viu homens sendo trucidados. Mas o pior ainda estava por vir... Banida de seu lar, a cidade encapsulada de Quimera, Ária sabe que suas chances de sobrevivência no mundo além das paredes dos núcleos são ínfimas. Se os canibais não a matarem, as violentas tempestades elétricas certamente o farão. Até mesmo o ar que ela respira pode ser letal. Quando Ária se depara com Perry, o Forasteiro responsável por seu exílio, todos os seus medos são confirmados: ele é um bárbaro violento. É também sua única chance de continuar viva.Perry é um exímio caçador, em um território impiedoso, e vê Ária como uma menina mimada e frágil – tudo o que se poderia esperar de uma Ocupante. Mas ele também precisa da ajuda dela, somente Ária tem a chave de sua redenção. Opostos em praticamente tudo, Ária e Perry precisam tolerar a existência um do outro para alcançar seus objetivos. A aliança pouco provável entre os dois acabará por forjar uma ligação que selará o destino de todos os que vivem sob o céu do nunca.

Sob o céu do nunca é o primeiro livro da trilogia Never Sky escrito pela autora Brasileira que atualmente vive fora do pais Veronica Rossi e já foi vendida para mais de 25 países . É um livro que eu estava louca para ler a muito tempo e que merecia ter sido mais divulgado aqui no Brasil.


"Eles chamavam o mundo além das paredes do núcleo de ‘A Loja da Morte’. Havia um milhão de maneiras de morrer por lá. Ária nunca achou que chegaria tão perto."


Em Sob o céu do nunca nós encontramos a Terra totalmente devastada por tempestades de Éter, o mundo como nós conhecemos já não existe faz tempo fazendo com que a população ficasse dividida entre os "Selvagens" e os "Ocupantes", os ocupantes vivem em cúpulas, cidades encapsuladas onde aparentemente tudo é perfeito graças ao “Olho Magico”, uma lente que as pessoas dos núcleos usam e que as leva para reinos virtuais que são representações do que vivemos hoje, ou até épocas mais antigas, mas como nós sabemos é claro que de perfeito não tem nada. Já no outro lado nós temos os “selvagens” que vivem de forma primitiva do lado de fora dos núcleos, sobrevivendo às tempestades de éter e a fome. O livro é divido nos pontos de vista da Ária e do Peregrine (Perry) e nós podemos acompanhar essas realidades a partir deles fazendo com que a leitura fique bem dinâmica fluindo rapidamente.

O mundo criado pela autora é incrível e bem original, se apegar ao livro foi fácil-fácil, ele conseguiu até tirar Os Garotos Corvos da posição de livro preferido do ano – o que não é pra qualquer um não, porque os garotos corvos é muito bom- O livro tem ação o tempo inteiro e quando você acha que finalmente vai poder respirar aliviada acontece alguma outra coisa que faz com que você tenha uma mini infarto, é serio gente as coisas são tão complicadas do lado de fora que tem até canibais, então imaginem como seria para uma pessoa que nunca teve problemas em ter o que queria de repente se vê largada nesse mundo primitivo. É justamente isso que acontece com Ária, apos se envolver em alguns problemas dentro de Quimera (cúpula onde vive) ela é expulsa e se encontra sozinha e sem nenhuma expectativa de sobrevivência nesse lugar estranho.


"- As nuvens se dissipam? - perguntou ela.
- Completamente? Não. Nunca
- E quanto ao Éter? Ele some em algum momento?
- Nunca, Tatu. O Éter nunca some.
Ela olhou pra cima.
- Um mundo de nuncas sob o céu do nunca."


Contudo o que me encantou mesmo no livro foram os personagens, acho que já deu para perceber em outras resenhas minhas, que se os personagens do livro são chatos não adianta a história ter um bom conteúdo que a leitura não anda, e nesse ponto Rossi esta de parabéns mais uma vez! Ária e Perry são os protagonistas perfeitos, tão reais que às vezes da para esquecer que eles não são pessoas de verdade.

Ária é a mocinha que tem tudo para estragar a história, mas graças a Deus não é isso que acontece, no inicio ela é alienada e mimada por sempre ter vivido dentro do núcleo, depois que ela é expulsa e conhece o mundo dos “selvagens” começa a ver tudo com olhos diferentes, ela percebe o quanto perdeu acreditando que o virtual era melhor que o real. E o Perry, provavelmente é um dos personagens masculinos mais bem construídos que eu já vi, ele não é perfeito e isso da para perceber logo de cara, pelo contrario ele é uma pessoa bem difícil de conviver e em vários momentos ficar com raiva dele é fácil chegando a ser meio cruel em algumas partes, mas esse misto de emoções é o que faz com que ele seja tão incrível. No decorrer da trama da para acompanhar o amadurecimento dos dois, tanto individual quanto em relação ao outro.

"Ária... todos se sentem perdidos às vezes. É a maneira de agir de uma pessoa que a distingue das demais. Nesses últimos dias você continuou seguindo em frente, apesar dos seus pés. Apesar de não saber o caminho... Apesar de mim"

Outro ponto que eu deveria destacar é que NÃO EXISTE TRIANGULO AMOROSO,  e mesmo assim o romance presente no livro é ótimo um dos mais bem construídos de livros YA que já li, então se assim como eu você também já não aguenta mais esses triângulos amorosos e quer um livro com bastante ação e um casal direito, Sob o céu do nunca é o livro certo.

A escrita da Veronica é ótima, o livro te prende de uma forma que você não consegue parar de ler até que tenha acabado e quando acaba fica com aquele peso na consciência por ter lido tão rápido, ainda mais depois de um final daquele não sei como vou aguentar até o próximo. 


"As pessoas podem ser até mais cruéis com aqueles que amam"


Então foi isso pessoal, espero que vocês tenham gostado! Essa semana eu volto com mais posts.

Beijos e até a próxima!

9 comentários:

  1. Uma Distopia escrita por uma brasileira? Não tem como eu não querer esse livro! hahaha
    gostei da sua resenha, já tinha visto a capa do livro circulando em grupos de leitores, mas nunca havia lido uma resenha. Mais um para lista de desejados.
    Beijos!

    vicioliteral.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei boba quando descobri, e o livro é muuito bom, vale a pena ler!
      Que bom que você gostou :)
      Beijos.

      Excluir
  2. Amei a resenha, e claro amei essa frase
    "As pessoas podem ser até mais cruéis com aqueles que amam"
    amei seu blog e segui
    beijos blogdaxavier.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou :)
      Essa frase é muito bonita mesmo e tem tudo a ver com o livro!
      Obg pelo comentário, beijoos.

      Excluir
  3. nunca tinha escutado falar nessa série, não é muito o tipo de livro que eu leio, mas quem sabe um dia pra matar a curiosidade haha!

    http://www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é muito legal, vê se da uma chance algum dia mesmo, você não vai se arrepender!

      Excluir
  4. Oi oi Stephanie, faz um tempinho desde que não dou uma visita aqui 'o' Adorei o livro e gostei muito da sua resenha, ficou de parabéns, me deixou muito entusiasmado para começar a leitura desse livro pois parece ser muito bom.
    Abraços!

    Jackson - http://tronodelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Jackson é verdade!
      Que bom que gostou, o livro é muuito bom mesmo se tiver oportunidade leia mesmo :)
      Obrigado pelo comentário, beijoos.

      Excluir